. populares img:hover{ -ms-transform: rotate(-10deg); -webkit-transform: rotate(-10deg); -moz-transform: rotate(-10deg); -o-transform: rotate(-10deg); transform: rotate(-10deg);}
Ultimas

O PASSADO PELO PRESENTE

PROVEDOR DE INTERNET

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Tremor de terra é sentido em seis cidades da região Oeste potiguar

De acordo com informações preliminares, moradores de Campo Grande Triunfo Potiguar, Janduís, Caraúbas, Upanema e Jucurutu relataram abalos



Milhares de pessoa acordaram assustadas com o barulho forte causado por um tremor de terra de pequena proporção no interior do Região Oeste do Rio Grande do Norte. O evento foi sentido em Campo Grande, Triunfo Potiguar, Janduís, Caraúbas, Upanema e Jucurutu, região Oeste do estado, conforme publicado em diversos blogs da região. O tremor aconteceu na quarta-feira (5), perto das 23h.

O novo tremor teve magnitude preliminar estimada em 2.5 graus na escala Richter. Esse evento foi registrado por diversas estações da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR), operadas pelo Laboratório de Sismologia (LabSis/UFRN). Os abalos sísmicos não geraram grandes danos às estruturas das casas e comércios, devido à baixa magnitude. Não houve registro de desabamento, de acordo com o Blog Icem.


Sismograma diário da estação RCBR. O evento está em destaque, em amarelo.
Foto: Divulgação/LabSis

Embora o tremor tenha sido registrado por várias estações, o fato das unidades estarem distantes da área epicentral afeta a precisão na determinação do epicentro. Os dados da estação mais próxima da área, a estação de Paraú, serão coletados ainda nesta quinta-feira, possibilitando uma determinação exata do epicentro.

O último tremor registrado no estado aconteceu em 6 de julho deste ano. O epicentro foi na cidade de João Câmara, distante 84 quilômetros de Natal. Segundo o Labsis, abalos como esses são frequentes na cidade. Na ocasião não foram apresentados danos materiais devido às magnitudes, que não foram tão altas.

O maior tremor registrado

Na década de 1980 o município de João Câmara sofreu a mais longa e agressiva série de abalos sísmicos conhecida no país. A terra tremeu intermitentemente por cerca de sete anos e nesse período foram registrados mais de 50 mil eventos, centenas deles perceptíveis aos moradores. Os tremores danificaram milhares de construções, desabrigaram mais de 20 mil pessoas e provocaram o êxodo para os municípios vizinhos.