. populares img:hover{ -ms-transform: rotate(-10deg); -webkit-transform: rotate(-10deg); -moz-transform: rotate(-10deg); -o-transform: rotate(-10deg); transform: rotate(-10deg);}
Ultimas

O PASSADO PELO PRESENTE

PROVEDOR DE INTERNET

sábado, 22 de julho de 2017

DO SERTÃO: Devoto relata milagre de Padre Cicero em cura de grave doença e paga promessa descalço

Agricultor diz ter recebido milagre (Foto: Folha do Vale)

O agricultor José Furtado de Sousa, conhecido por Dedé, de 67 anos, morador da Rua Deocleciano Pereira, é um dos muitos devotos do Padre Cícero, em Itaporanga, no Vale do Piancó, e sua devoção aumentou mais ainda depois que ele alcançou uma graça, atribuída ao “santo” popular do Nordeste.

Toda noite, de cada dia 20, ele participa dos louvores a Padre Cícero, uma celebração que tem mais de 50 anos e começou quando uma estátua do sacerdote foi erguida no centro de Itaporanga. O público já foi maior, mas hoje ainda muita gente acorre ao local todo mês. Esta quinta-feira, 20 de julho, foi especial, porque completa 83 anos do falecimento do padre, que militou na política em defesa dos pobres e oprimidos do seu tempo e fundou a cidade de Juazeiro do Norte, que também se desenvolveu graças à fama de santo do ‘Padim Ciço’, como popularmente é tratado, atraindo romeiros de todo o interior
nordestino.

Desde novembro passado que seu Dedé, todo dia 20 do mês, participa das celebrações e, assim, será para toda a vida. “Até o dia que puder andar, estarei aqui, até o fim de minha vida”, diz o devoto, que atribui ao Padre Cícero a cura de uma doença em sua próstata. Descalço, ele sobe à estátua e a toca cariosamente, paga a promessa pela graça alcançada e renova o pedido de proteção.

Em outubro de 2015, a Igreja Católica, depois de estudos realizados sobre a trajetória do Padre Cícero e considerando a devoção de milhões de católicos nordestinos ao sacerdote, decidiu por uma reconciliação com o padre, restabelecendo sua ordem sacerdotal, suspensa pelo Vaticano em 1894, quando ele foi acusado de manipulação da fé. Com a decisão do Papa Francisco, a Igreja apaga as oposições aos feitos do padre. Mesmo depois que foi afastado, Cícero Romão Batista continuou fiel à cristandade e à Igreja, que agora, mas de 80 anos depois de sua morte, reconhece e restabelece sua autoridade sacerdotal.

Folha do Vale

Nenhum comentário:

Postar um comentário