. populares img:hover{ -ms-transform: rotate(-10deg); -webkit-transform: rotate(-10deg); -moz-transform: rotate(-10deg); -o-transform: rotate(-10deg); transform: rotate(-10deg);}
Ultimas

O PASSADO PELO PRESENTE

PROVEDOR DE INTERNET

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Fugitivo de presídio no AM posta foto no Facebook comendo jaca na mata


Um presidiário que conseguiu fugir durante as rebeliões ocorridas em presídios de Manaus no domingo (1º) postou foto em rede social logo após a fuga. De acordo com informações divulgadas no Jornal Hoje, ele já foi recapturado.
 Detento publicou foto durante fuga da unidade (Foto: Reprodução/Facebook)
O condenado por tráfico de drogas Brayan Bremer cumpre pena de sete anos. Após fuga no fim de semana, ele postou foto no Facebook comendo jaca na mata com outra pessoa. No post, o presidiário digitou: "Na fulga (sic) da cadeia".


Segundo o Governo do Amazonas, 184 presos conseguiram fugir das unidades Antônio Trindade (72 fugas) e Anísio Jobim (112 fugas), todas localizadas no Km 8 da BR 174, que liga o Amazonas ao estado de Roraima.
O Jornal Hoje informou que 40 presos já foram recapturados, entre eles Brayan. Em Manaus, as polícias Civil e Militar realizam operações em busca de outros 144 fugitivos que continuam nas ruas.
Ainda na noite de domingo e madrugada de segunda (2), foragidos do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat) foram recapturados após realizarem um arrastão a fiéis da Igreja Assembleia de Deus, no Bairro Tarumã, Zona Oeste da capital.
Conforme o último levantamento da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap), o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), onde ocorreu o massacre de 56 presos, abriga quase o triplo de presos que sua capacidade. Números da Seap indicam que 1.224 presos cumpriam pena em regime fechado no local, que tem apenas 454 vagas – o que representa um excedente de 170%.

Investigações

Começaram na manhã desta segunda-feira (2) as investigações em torno das mortes de 56 detentos do regime fechado, no domingo (1º), no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj).  A ação é orientada pelo Comitê de Gerenciamento de Crise do Sistema de Segurança Pública do Amazonas.

 Familiares de presos cobrem rostos e pedem informações de policiais do lado de fora do Compaj, em Manaus (Foto: Isis Capistrano / G1 AM)

A força-tarefa de investigação é formada por delegados de unidades especializadas e Distritos Integrados de Polícia (DIPs) e será coordenada diretamente pelos delegados Ivo Martins, Tarson Yuri e Rodrigo de Sá Barbosa, titulares, respectivamente, da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), 4ª Seccional Oeste e 20º DIP, localizado no bairro Tarumã, Zona Oeste de Manaus, onde alguns fugitivos chegaram a ser recapturados.
O objetivo também é identificar os líderes do movimento e responsabilizá-los criminalmente.  "Os delegados vão ser responsáveis na apuração das mortes no Compaj nas últimas 24h e todo o trabalho será iniciado a partir de imagens de câmeras do circuito interno da penitenciária. Eles também vão colher depoimentos de presos e de agentes penitenciários da unidade prisional", disse o delegado-geral Francisco Sobrinho.
No IML, o processo de identificação dos corpos iniciou desde as primeiras horas da manhã. As impressões digitais das vítimas já foram coletadas, bem como o levantamento de imagens dos corpos. Por volta das 15h30, iniciou a coleta de dados e informações com os familiares dos detentos


Conforme a perita criminal do Departamento de Polícia Técnico-Científica (DPTC), Fabíola Rodrigues, uma estrutura reforçada tenta agilizar o processo de reconhecimento para posterior liberação dos corpos.
"O efetivo do Instituto de Criminalística e o Instituto Médico Legal está todo empregado para viabilizar em tempo hábil na liberação de todos os corpos. Estamos com todos os materiais necessários para esses procedimentos e estamos aguardando os resultados das impressões papilares que foram coletadas e enviadas ao Instituto de Identificação", informou.
O Comitê de Gerenciamento de Crise é formado por mais de 20 órgãos dos governos Estadual, Federal e Municipal, sob a coordenação da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), e acompanha a situação das unidades do sistema prisional da capital.

G1


Nenhum comentário:

Postar um comentário