. populares img:hover{ -ms-transform: rotate(-10deg); -webkit-transform: rotate(-10deg); -moz-transform: rotate(-10deg); -o-transform: rotate(-10deg); transform: rotate(-10deg);}
Ultimas

O PASSADO PELO PRESENTE

PROVEDOR DE INTERNET

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Dilma assume novo mandato para fazer o contrário do que pregou na campanha



Depois de promover estelionato eleitoral e de tomar medidas que desagradaram o PT, a presidente inicia um governo que parece nascer velho

A presidente Dilma Rousseff foi empossada para seu segundo mandato às 15h20 desta quinta-feira em cerimônia no Congresso Nacional. Em muitos aspectos, a presidente toma posse como quem passa a cumprir uma pena: o novo governo começa sem lua de mel, com parte da base aliada ainda insubordinada, a necessidade de ajustes econômicos profundos e as imprevisíveis consequências do maior esquema de corrupção já descoberto na história no horizonte. E se há culpado pelo clima enuviado, é a própria presidente.
Sempre orientada pelo marqueteiro João Santana, Dilma transformou a mentira em estratégia de campanha. Pintou os adversários como inimigos que iriam entregar o comando da economia para banqueiros e especuladores, mexer em direitos trabalhistas e praticar uma política de arrocho. Eleita, a presidente cometeu estelionato eleitoral. Seguiu passo a passo a cartilha que jurara condenar: convidou um banqueiro para a Fazenda e, após ele rejeitar o convite, designou um nome plenamente alinhado com as ideias de Armínio Fraga, o renomado economista que foi transformado em anátema pela propaganda petista pelo simples fato de integrar a equipe do adversário Aécio Neves. Joaquim Levy, que foi secretário do Tesouro do primeiro governo Lula e chefiava a área de fundos do Bradesco, foi o nome escolhido pela presidente para substituir Guido Mantega num processo atrapalhado de reforma ministerial. O economista é conhecido por ter tolerância zero com a gastança pública e há cerca de um mês vem trabalhando num pacote de ajustes não muito distinto daquele que o PT acusara a oposição de querer implementar.
As mudanças anunciadas até o momento agradam aqueles que observam a economia brasileira com olhar cuidadoso, mas terão impacto negativo no bolso do trabalhador. Ou seja, são impopulares. Uma torneira de reajustes está para ser aberta com o intuito de melhorar as contas públicas. A volta de tributos como a Cide (o imposto da gasolina), novos aumentos na conta de luz, possíveis elevações na taxa Selic, além de uma alta inflacionária já prevista pelo Banco Central para 2015 estão na lista de más notícias com as quais os brasileiros terão de lidar. Na esteira da maré ruim está a Petrobras, que, no centro da Operação Lava Jatoenfrenta a pior crise de seus 60 anos de história. Endividada, a estatal pode elevar novamente o preço da gasolina no primeiro semestre para ajudar a sanear suas contas — mais um reajuste que deve pesar no bolso da população.
A vaca tossiu – No apagar das luzes de 2014, quando já não se esperava rompantes de ortodoxia vindos de Brasília, um aperitivo do que será 2015 foi anunciado pelo ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e pelo novo chefe do Planejamento, Nelson Barbosa: o aperto nas regras para a liberação de benefícios previdenciários, como o seguro-desemprego. Tal pleito foi amplamente discutido durante as eleições pelos candidatos de oposição, Marina Silva e Aécio Neves, que foram prontamente atacados pela máquina petista por sequer cogitarem a reversão de ganhos do trabalhador com o intuito de melhorar as contas – o famoso "Nem que a vaca tussa" entoado por Dilma na campanha. De quebra, a presidente vetou até mesmo o arredondamento de dois reais no salário mínimo de 2015. Tudo em nome da economia.
Tanto os reajustes quanto as medidas de aperto fiscal são necessárias — e imprescindíveis. É, afinal, um alento saber que a presidente está disposta a encampá-las e que a realidade finalmente se impôs ao populismo irresponsável. O problema é que as mudanças não têm coerência alguma com o discurso defendido antes da vitória. Para o eleitor que tomou sua decisão de voto com base no discurso de Dilma, o sentimento, invariavelmente, será de pura enganação. Em nome do vale-tudo eleitoral, a presidente escondeu o descumprimento do superávit fiscal, o avanço no desmatamento da Amazônia, o aumento do porcentual de miseráveis, entre outros indicadores, no mínimo, desagradáveis. Segurou artificialmente o preço da gasolina e a elevação da taxa de juros até a semana que sucedeu o segundo turno, para depois liberar os reajustes.
O velho loteamento – A escolha dos ministros foi um capítulo à parte: com dificuldades no Congresso, Dilma distribuiu cargos sem critérios claros. O escolhido para o Esporte, por exemplo, foi o deputado George Hilton (PRB). Pastor da Igreja Universal, ele nunca deu qualquer atenção ao esporte em sua passagem pelo Congresso. Como destaque em sua biografia, está o fato de ter sido expulso do PFL em 2007 após ser flagrado com 600.000 reais em espécie em um aeroporto.
Helder Barbalho (PMDB), o próximo ministro da Pesca, ganhou o cargo como prêmio de consolação após perder a disputa pelo governo do Pará. O herdeiro do senador Jader Barbalho, nome frequente no noticiário político-policial da década passada, certamente não chega à equipe ministerial por seu conhecimento de piscicultura. Quem também ganhou um lugar na Esplanada foi Eliseu Padilha: que foi ministro dos Transportes na gestão tucana e tem uma história de proximidade com o PSDB. Amigo de José Serra, o peemedebista nem mesmo apoiou Dilma Rousseff nas eleições de 2010. 
As atitudes da presidente após as eleições irritaram ao mesmo tempo a oposição, derrotada por uma margem estreita e com o uso da máquina da "propaganda do medo" petista, e uma grande parcela dos que apoiaram a presidente, decepcionados por decisões que em nada lembram a personagem criada durante as eleições: a da socialista implacável com os gananciosos exploradores, dura com corruptos, generosa com os trabalhadores – a Dilma "coração valente".
Da oposição, prenuncia-se um combate acirrado e alentador no próximo mandato, como ocorreu nas últimas semanas da atual legislatura. Do petismo, um apoio pouco entusiasmado, quando não crítico – como as que soaram quando o governo anunciou a nomeação de Kátia Abreu (PMDB, ex-DEM) para o Ministério da Agricultura ou pela saída da petista Ideli Salvatti da pasta de Direitos Humanos. 
No discurso da vitória, a presidente reeleita prometeu dialogar com a sociedade, mas fez o oposto disso. Dilma só se expôs a entrevistas coletivas durante a campanha. Tem evitado a imprensa desde então. O contato com parlamentares é escasso. A maior parte dos ministros não despacha diretamente com a chefe há meses. Como nenhum auxiliar ousa confrontá-la, a chefe da nação governa encastelada.
Um dia depois de ser eleita, ainda usando a fantasia de candidata, Dilma prometeu “não deixar pedra sobre pedra” nas investigações do petrolão. Mas nada mudou: Graça Foster continua no comando da Petrobras apesar das evidências de que ela foi alertada sobre desvios em contratos da estatal. O modelo de loteamento de cargos entre partidos políticos, uma das causas do roubo na companhia e dos numerosos escândalos de corrupção da gestão Dilma, não só continuou sendo uma política de governo como resultou em nomeações indefensáveis, que constrangeram o governo. No próximo mandato, o escândalo da Petrobras deve continuar em pauta, especialmente porque a criação de uma nova CPI no Congresso é praticamente inevitável. 
Por tudo o que disse na eleição sobre si mesma e sobre os adversários, Dilma não teria como manter por muito tempo o enredo fantasioso da campanha. Mas, ao ceder à realidade, a presidente poderia corrigir também o discurso. Não o fez. Em vez de admitir que errou no diagnóstico, Dilma e o PT continuaram a exibir os sintomas daquilo que os psicólogos chamam de dissonância cognitiva – a forma com que a mente humana faz malabarismos extremos para conciliar duas crenças díspares e, assim, evitar o constrangimento de admitir o erro. Quanto mais energia e tempo gastos em defesa de uma crença, mais difícil se torna reconhecer que ela é inválida.
Por fim, as nomeações de neoaliados como Kátia Abreu para o ministério agravaram um problema já detectado pelos petistas desde os protestos de junho de 2013: o descolamento entre o partido e a militância de esquerda. A campanha contra um adversário classificado pela própria Dilma como “neoliberal” serviu apenas para uma trégua temporária, já desfeita com as escolhas de Dilma no pós-urnas.  A reaproximação com os movimentos sociais tem sido pregada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Como tentou fazer há um ano e meio, o governo busca cooptar a voz dos insatisfeitos. Não houve grandes resultados na ocasião. Dado o clima pouco festivo na capital do país (que, para piorar, vive dias de caos graças à péssima gestão do petista Agnelo Queiroz), a preocupação atual do PT foi mais imediata: levar um número razoável de militantes a Brasília nesta quinta-feira para aplaudir a presidente durante o desfile da posse e evitar o vexame de enfrentar protestos já no primeiro dia do mandato.
Fonte: http://veja.abril.com.br/