. populares img:hover{ -ms-transform: rotate(-10deg); -webkit-transform: rotate(-10deg); -moz-transform: rotate(-10deg); -o-transform: rotate(-10deg); transform: rotate(-10deg);}
Ultimas

O PASSADO PELO PRESENTE

PROVEDOR DE INTERNET

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Candidato do PMDB ainda não foi definido, mas já tem apoio de cinco partidos

Fernando Bezerra deve ser o candidato do partido e, apesar de não ter confirmado ainda a candidatura, já conseguiu apoios, graças a Henrique
















Partido Republicano de Ordem Social (PROS), Partido da República (PR), Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), Partido Verde (PV), Partido Democrático Trabalhista (PDT)… As convenções partidárias deverão ser realizadas só em junho, contudo, será difícil tirar essas siglas de uma rota que não seja a de apoio ao candidato do PMDB ao Governo do Estado neste ano. E o curioso disso é que os peemedebistas, nem mesmo, definiram qual será o nome do partido na disputa eleitoral – apesar do empresário Fernando Bezerra ser o mais cotado para tal.

É bem verdade que nenhum desses partidos confirmou ter “fechado” com o PMDB. Eles apenas informaram que “devem” apoiar a sigla. No entanto, ao justificar essa preferência antecipada, os líderes partidários apresentaram motivos suficientemente fortes para dificultar uma mudança de rumo até junho. Por isso, o panorama de alianças já está, praticamente, fechado nesse sentido.
O PROS é um exemplo disso. Presidido pelo vereador de Natal, Rafael Motta, e liderado pelo presidente da Assembleia Legislativa, Ricardo Motta, a sigla deverá apoiar o nome peemedebista, principalmente, por retribuição a Henrique Eduardo Alves, presidente da Câmara dos Deputados e do PMDB no RN.
Sem partido depois que Betinho Rosado assumiu a presidência do PP, tirando o cargo do vereador, já em setembro, Rafael (que deve se candidatar a deputado federal) e Ricardo (que buscará a reeleição para a Casa Legislativa) ficariam impedidos de disputar o pleito de 2014 se não encontrassem uma nova sigla em menos de uma semana – o prazo para filiação era até 5 de outubro. Henrique impediu isso, articulando a ida deles para o PROS, nova sigla que se formava também no RN.
“A alternativa do PROS deverá mesmo ser a de votar no candidato apresentado pelo PMDB, até como forma de retribuição ao deputado Henrique Eduardo, presidente estadual da legenda, que tem sido correto com o nosso líder, Ricardo Motta”, afirmou Rafael em entrevista na semana passada.
O PDT é outra sigla que deverá seguir esse rumo. “Eu disse que o PDT deveria ou deverá apoiar. Se vai apoiar ou não, é uma decisão que ainda deverá acontecer”, afirmou o deputado estadual Agnelo Alves, uma das lideranças pedetistas, tentando despistar a antecipação da decisão, mas ressaltando, porém, que para ele, a decisão já está tomada.
“Defendo a tese que caberá ao PMDB… Não ao PMDB, mas sim ao candidato que o PMDB escolher e puder, com a autoridade de candidato, formatar um programa de governo que não seja longo, que seja acreditado pela população e com o apoio dos outros poderes”, justificou Agnelo. O motivo desse apoio antecipado seria, também, o trabalho de Henrique. Desta vez, viabilizando em Brasília recursos para obras e convênios federais para a Prefeitura de Natal, chefiada pelo pedetista Carlos Eduardo Alves – filho de Agnelo e primo de Henrique.
Por isso, além de defender o PMDB, Agnelo defendeu também o nome de Henrique. “Ele é hoje quem na política do Rio Grande do Norte detém um somatório de condições que são também indispensáveis para um bom candidato e, sobretudo, para um bom governador”, acrescentou.
DO PORTAL NO AR